Saude: Novo remédio revolucionário para Alzheimer

Para os Idosos que sofrem o mal de Alzheimer, temos uma ótima noticia, que um tratamento em estado experimental contra a doença de mal de Alzheimer apresentou muito promissor e revolucionario e o mais importante
sem efeitos colaterais ate o momento, foi anunciado por uma equipe de pesquisadores dos EUA, nesta quarta 02/11.

Foi publicada a pesquisa e os estudos na famosa revista (Science Translational Medicine), a qual se baseou em uma amostragem de grupo de 32 pessoas e a qual deu a orginação a dois ensaios clínicos mais completos, que estão no momento em andamento, com cerca de 3.000 pessoas.

O novo tratamento consiste em utilizar um composto chamado verubecestat, o qual esta sendo desenvolvido pela grande empresa farmacêutica Merck, que com efeito faz reduzir os níveis das proteínas chamadas beta-amiloides que bloqueia a enzima chamada como BACE1.

Nestas pessoas que tem o mal de Alzheimer, essas proteínas se ajuntam em placas que danificam parte do cérebro, afetando gradativamente as habilidades cognitivas da pessoa, especialmente a mais afetada é a memória. Esta enzima desempenha um papel importante na produção das proteínas.

Dos 32 pacientes que participaram do primeiro ensaio clínico, foram diagnosticadas com Alzheimer moderado ou leve.

Varios laboratórios farmacêuticos estão trabalhando arduamente para desenvolver compostos que podem paralisar ou até mesmo reverter a formação destas placas.

Até o momento, os remédios que foram desenvolvidos para neutralizar a enzima BACEI tinham alguns efeitos colaterais e muito tóxicos, prejudicando o fígado ou neuro degeneração grave.

Mas o remédio verubecestat não apresentou qualquer efeito adversos, disse “Matthew Kennedy”, do laboratório de pesquisa da Merck, no estado de New Jersey – EUA.

Os pesquisadores também notaram que uma ou até duas doses do composto foram praticamente suficientes para baixar os níveis de proteína, que não causa-se efeitos colaterais.

Os 2 ensaios clínicos de Fase 3 que ainda esta em andamento, vão ser avaliadas a eficácia do verubecestat, que serão concluídos em meados de julho de 2017.

caso os resultados forem satisfatorios, o composto poderia ser vendido como uma pílula dentro de dois ou no máximo três anos.

Segundo dados o número de Pacientes que moram nos Estados Unidos que estão sofrendo de mal de Alzheimer pode ultrapassar cerca de 28 milhões até 2050, depois de toda a nova geração dos “baby boomers” ter chegado ao mais de 80 anos de idade, de acordo com futuras projeções.

A OMS Mundial da Saúde diz que à cerca 36 milhões de pessoas em todo o mundo, que estão sofrendo alguma forma de demência, sendo o maior vilão delas o mal de Alzheimer.

De forma mais pessimista a previsão é que esse número duplique até o ano de 2030, ultrapassando cerca 65,7 milhões, e triplique até o ano de 2050, para 115,4 milhões, caso nenhum tratamento eficaz seja encontrado nos próximos anos.
fonte do artigo original AFP – Adaptado por editorial informação Brasil